Certificado Internacional de Vacinação

O Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP) é um documento importante na hora de viajar. Além de um documento obrigatório para entrar em alguns países, ele também é importante para garantir sua saúde e segurança.

O certificado nada mais é do que um documento que atesta oficialmente que você tomou a vacina contra alguma doença, sendo a febre amarela a mais comum. Ele é exigido para turistas que tem como destino alguma aérea com risco de transmissão da doença ou para os que são provenientes de áreas endêmicas.

A vacina pode ser tomada gratuitamente em qualquer posto de saúde, mas nem todos os lugares que têm a vacina emitem o CIVP. Confira quais postos oferecem a imunização contra febre amarela na sua cidade, tome a vacina e guarde o comprovante de vacinação.

São 88 Centros de Orientação de Viajantes aptos a emitir o CIVP em todo o Brasil. A lista completa pode ser consultada no site da Agência Nacional e Vigilância Sanitária (Anvisa). É só levar o comprovante da vacina contra febre amarela, que vai estar no seu Cartão Nacional de Vacinação, e um documento oficial de identificação com foto (para menores de idade, a certidão de nascimento também serve). Verifique se seu comprovante tem nome, fabricante e lote da vacina. O documento também precisa conter o nome e assinatura de quem aplicou a vacina, a data em que ela foi tomada e a identificação da unidade de vacinação. Você deve comparecer pessoalmente para tirar o CIVP, o documento não pode ser feito ou retirado por parentes ou amigos. Se cadastrando antecipadamente no site da Anvisa, o atendimento nos Centros de Orientação ao Viajante é mais rápido.

É necessário tomar a vacina no mínimo dez dias antes de viajar. A imunização dura dez anos, depois deste tempo é só tomar a vacina de reforço, sem necessidade de esperar tempo algum antes de viajar.

A Anvisa recomenda a imunização contra febre amarela para todos os viajantes que vão para áreas consideradas de risco, mesmo que a vacina não seja oficialmente exigida. Para saber que lugares e países que são considerados regiões de risco.

No Brasil, são 13 estados nos quais a vacina é recomendada em todos os municípios: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Distrito Federal, Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Maranhão e Minas Gerais.

Para outras doenças, a OMS recomenda primeiro que o viajante tenha tomado todas as vacinas de rotina (como, por exemplo, as vacinas contra tuberculose, poliomelite e hepatite B). O turista deve planejar antes, conferir se seu destino é aérea de risco de alguma doença para a qual existe imunização e avaliar se precisa ou não se imunizar. No site da Anvisa é possível verificar as recomendações para viajantes sobre doenças e vacinas para cada país.


PASSO A PASSO:

1º Passo – Tomar a vacina exigida.
O interessado pode obter a vacina gratuitamente em um posto de saúde do SUS ou deve procurar os serviços de vacinação privados credenciados.A vacina contra febre amarela deve ser tomada com antecedência de, no mínimo, 10 (dez) dias antes da viagem.

2º Passo - Realizar o pré-cadastro no SISPAFRA.
O interessado deve realizar um pré-cadastro no endereço http://www.anvisa.gov.br/viajante, clicar na opção “cadastrar novo” ou no link “cadastro”. O pré-cadastro não é obrigatório, mas agilizará o atendimento prestado para emissão do certificado.

3ª Passo – Comparecer ao estabelecimento que emitirá o CIVP.
Para a emissão do CIVP, é imprescindível a presença física do interessado uma vez que a emissão está condicionada à assinatura do viajante, conforme previsto na RDC nº 21 de 31/03/2008, inciso III do Art. 1º do Anexo II.
Recomenda-se entrar em contato diretamente com o Centro de Orientação http://www.anvisa.gov.br/hotsite/viajante/centros.pdf mais próximo para saber precisamente o seu horário de funcionamento.

4ª Passo – Apresentar a documentação necessária para emissão do CIVP
O interessado deve apresentar o cartão nacional de vacinação e um documento de identidade original com foto.
O cartão deve estar preenchido corretamente com a data de administração, fabricante e lote da vacina, assinatura do profissional que realizou a aplicação e identificação da unidade de saúde onde ocorreu a aplicação da vacina.

São aceitos como documentos de identidade a Carteira de Identidade (RG), o Passaporte, a Carteira de Motorista válida (CNH), entre outros documentos. A apresentação da certidão de nascimento é aceita para menores de 18 (dezoito) anos. Ressalta-se que crianças a partir de 9 (nove) meses já começam o esquema de vacinação. A população indígena que não possui documentação está dispensada da apresentação de documento de identidade.

Não é necessária a presença da criança ou adolescente menor de 18 (dezoito) anos quando os pais ou responsáveis deste solicitarem a emissão do seu CIVP nos Centros de Orientação para a Saúde do Viajante.